Participação da Biomedical no Simpósio de Extração de Cabos-eletrodos de Marca-passos e de Desfibriladores Implantáveis

Organizado pelo Instituto do Coração de São Paulo (Incor), Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), juntamente com o Comitê Científico Organizador da instituição e apoio da Biomedical, foi realizado, no dia 27 de Julho de 2018, o Simpósio de Novas Tecnologias em Extração de Cabos Eletrodos de Marca-passo e Cardio-Desfibrilador Implantável no Centro de Convenções Rebouças, São Paulo/SP.

Este foi o 1º evento específico voltado para extração de eletrodo, e contou com a participação de 180 médicos/profissionais da saúde e a presença de renomados nomes na área da Estimulação Cardíaca Artificial do Brasil.

O simpósio colocou em discussão o panorama geral da estimulação cardíaca artificial e chamou a atenção para a necessidade de retirada de cabos eletrodos, suas indicações e novas tecnologias disponíveis.

Uma visão atual das equipes de especialistas, composta por Prof Dr Roberto Costa (INCOR-HCFMUSP, São Paulo), Dr Celso Salgado (Presidente do DECA, Uberaba), Dr Gonzalo Vecina (INCOR-HCFMUSP, São Paulo), Dr Carlos Eduardo Duarte (CARE – Centro de Avançado de Ritmologia e Eletrofisiologia), Dr José Jazbick Sobrinho (UERJ, Rio de Janeiro), Dra Stela M. V. Sampaio (Hospital de Messejana, Fortaleza), Dr José Mario Baggio (Instituto de Cardiologia , Brasilia), Profa. Dra Tânia Strabelli (INCOR-HCFMUSP, São Paulo), Dr César Nomura (INCOR-HCFMUSP, São Paulo), Dr Caio Albertini (Hospital Oswaldo Cruz, São Paulo), Dr João Ricardo Sant’Anna (IC-FUC, Porto Alegre), Dr Gustavo Laine Araujo de Oliveira (CONITEC, Brasilia), Dra Ana Cristina Marques Martins (ANS, Rio de Janeiro), Dra Katia Regina da Silva (INCOR-HCFMUSP, São Paulo), Dra Evelinda Trindade (NATS-HCFMUSP, São Paulo), Dr Ricardo Alckimin Teixeira (HC Samuel Libano – Pouso Alegre), abordaram alguns pontos como “Infecção em portadores de Dispositivos Cardíacos Eletrônicos Implantáveis (DCEI)” , ”Ressonância em portadores de DCEI” e “Superpopulação de cabos-eletrodos”.

As palestras, de maneira geral, possibilitaram uma melhoria na interpretação das indicações da extração dos cabos eletrodos, riscos e benefícios do procedimento, e particularidades da técnica, ressaltando ainda a necessidade crescente de novos recursos para extração, dados os desafios existentes em alguns casos e a expectativa de aumento no número de procedimentos, por quantidade de eletrodos implantados e tempo de implante, conforme o envelhecimento da população.

Apesar de já estar registrado em território nacional o uso de dispositivos para auxiliar a extração de cabos eletrodos, foi bastante discutida a incorporação de novas tecnologias de extração no Brasil e os aspectos regulatórios das agências responsáveis pelo registro, como CONITEC e ANS.

O Simpósio proporcionou a troca de experiência entre os médicos considerado referências na área, e aqueles que ainda não têm tanta experiência com a técnica, e culminou com uma ideia de união de esforços para a criação de um Registro Multicêntrico de Extrações.

Os comentários e feedbacks positivos obtidos após término do Simpósio permite concluir que há necessidade de serem realizados outros eventos como esse, em outros centros referência, e neste mesmo modelo, para possibilitar o registro das informações sobre o procedimento, e troca de experiências, acarretando num melhor atendimento aos pacientes e, possivelmente, aumento no número de casos indicados e realizados com sucesso.

A Biomedical estava lá apoiando a iniciativa e tem orgulho de fazer parte.